sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Mudanças nas causas da devastação das florestas favorecem o combate ao desmatamento, dizem estudiosos

A alteração nas causas da devastação de florestas tropicais pode ajudar no combate ao desmatamento. É o que defendem um os pesquisadores Rhett Butler e William F. Laurance Smithsonian, do Instituto de pesquisa do Panamá.
Em entrevista dada ao site Mongabay.com, eles afirmam que a devastação das florestas não é mais causada pela pobreza e subsistência de populações locais, deve-se, fundamentalmente, às grandes corporações, aos grandes projetos do setor mineiro, madeireiras, desenvolvimento de petróleo e gás e agricultura. Essa mudança, defendem eles, dá a ambientalistas e governos uma causa mais clara e identificável para que as ações contra o alvo, sejam mais eficazes.
"Ao invés de ser dominada pelos agricultores rurais, a devastação é substancialmente impulsionada por grandes indústrias, especialmente de grande escala agricultura, mineração, e de exploração madeireira", explicou Laurance. "Embora essa tendência seja bastante assustadora, também é muito mais fácil para atingir um punhado de corporações globalizado do que muitos milhões de agricultores pobres que vivem na fronteira".
Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 13 milhões de hectares (de floresta tropical são destruídos a cada ano. De acordo com Butler e Laurance, a globalização do mercado financeiro mundial e de uma mercadoria tem criado um "boom" perfeito para empresas explorarem as florestas tropicais. Além disso, a crescente demanda por grãos, óleos alimentares e de carnes, impulsionada pela procura de biocombustíveis e do aumento nos padrões de vida nos países em desenvolvimento, são também fatores dessa destruição. Ao mesmo tempo muitos governos permitiram que as grandes empresas internacionais, para limpar as florestas devido a pressões para desenvolver localmente.
Essas alterações podem tornar mais viável à preservação da floresta tropical, Butler argumenta: "É mais fácil para a pressão de grupos-alvo corporações e empresas em vez de dezenas de milhões de agricultores pobres que estão simplesmente a tentar pôr comida na mesa para suas famílias."
Lobby - Eles notam que, nos últimos tempos, organizações ambientais já aumentaram a sua pressão sobre corporações recentemente com alguns efeitos positivos. "Grupos ambientais estão aprendendo como se manifestar contra as corporações", disse Butler. "E isso funciona. Nós estamos vendo que as empresas de soja, óleo de palma, madeira e indústrias começaram a mudar a sua abordagem".
"Além disso, algumas empresas financeiras maciça, incluindo a Goldman Sachs, JP Morgan Chase, Citigroup e
Bank of America, ter alterado as suas práticas de empréstimo após ficar sob fogo de ambientalistas," Butler
acrescentou.
Fonte: Amazônia.org

Nenhum comentário: